logo

10 Fatores Chave Que Derrubam A Narrativa da COVID

Jan 13, 2022

|

11:26 PM

featured post image

FATor um

A COVID não é tão perigosa quanto se pensava 

“A média da taxa de letalidade por infecção por COVID-19 era 0.27%.”

Em fevereiro de 2020 as previsões da taxa de letalidade por infecção (TL),  ou “índice de mortalidade” por COVID estavam estimados em 3.4% pela Organização Mundial da Saúde (OMS).[1] Fomos informados que a  COVID era muito mais letal do que a gripe sazonal e tínhamos que “achatar a curva” para evitar a sobrecarga de hospitais.[2] Sete meses depois, a OMS admitiu em seu próprio relatório que “as taxas de letalidade por infecção tendiam a ser muito menores do que as estimativas feitas no início da pandemia”.[3] O relatório da OMS considerou que a média da taxa de fatalidade por infecção era 0.27%”.[4] Outros estudos corroboraram esses achados com TLs entre .32% - .01%. Em comparação, a gripe tem uma TL entre .1% - .2%.[5] O ex- diretor do Ministério da Saúde de Israel disse: “Não se corre mais risco de morrer de coronavírus do que de gripe.”[6]

Com todos os relatórios de mortes por COVID, é importante entender como esse termo está definido. No início do surto de COVID, a OMS criou uma ampla definição do que seria considerada uma “morte por COVID” e essa definição foi adotada em todo o mundo. De acordo com tal definição[7], uma morte por COVID se dá quando uma pessoa é um caso confirmado ou suspeito de COVID a qualquer tempo antes da morte. Isso significa que o que é reportado com morte por COVID pode ter outra causa, como câncer, doença cardíaca ou acidente. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) reportou que apenas aproximadamente 6% das mortes por COVID não tinha comorbidades.[8] Isso significa que 94% das mortes por COVID tinham causas adicionais que contribuíram para a causa da morte declarada nos atestados de óbito.[9] Assim, mesmo as mortes reportadas como sendo por COVID são, em sua maioria, mortes que ocorreram com COVID e não por causa da COVID.

As previsões originais para infecções, hospitalizações e mortes resultantes de COVID que levaram inúmeros governos à adoção de lockdown e implementação de políticas guiadas pelo pânico foram feitas em um relatório[10] do Imperial College conduzido por Neil Ferguson. O relatório apresentado em meados de março de 2020 previa que frente à ausência de controles haveria 510.000 mortes no Reino Unido e 2,2 milhões de mortos nos Estados Unidos nos três meses seguintes.[11] Em um apêndice publicado dias depois, o relatório listava suas predições para outros países, incluindo a Suécia.[12],[13] 

A Suécia é significativa porque foi o único país ocidental a não adotar lockdown nos sete meses iniciais da pandemia e as previsões eram de que eles teriam no mínimo 66.000 mortes até junho, quando na verdade eles tiveram apenas 5.900 até setembro. Aqui, no único grupo de controle para testar a validade do modelo, vemos os números de mortes foram superestimados em 11 vezes. Em junho, Neil Feguson do Imperial College admitiu que a Suécia tinha alcançado resultados semelhantes ao Reino Unido sem a imposição de um lockdown.[14] 

Fato:  A COVID foi considerada muito mais mortal do que de fato é.  

 

FATor dois2

Tratamento precoce funciona

“A Ivermectina basicamente oblitera a transmissão desse vírus...com uma eficácia milagrosa” - Dr. Pierre Kory

Desde o aparecimento da COVID, vários tratamentos precoces foram tentados e mostraram-se bem sucedidos no combate às formas graves da doença e mortes. A ideia no tratamento precoce é que a administração dos medicamentos seja feita ao surgirem os primeiros sintomas (ou até 4 dias após seu início) para prevenir que a infecção se complique. 

Hidroxicloroquina usada com zinco representa apenas um dos métodos de tratamento seguros e eficazes para a COVID. Zinco é um mineral essencial que tem sido usado para parar replicação viral.[15],[16] Hidroxicloroquina tem a habilidade de transportar zinco através da parede celular, para aumentar a eficiência da interrupção dessa replicação.[17] Com mais de 70 anos de comprovada segurança,[18] a OMS considera a  hidroxicloroquina um dos “medicamentos mais eficazes , seguros e custo-efetivos” no mercado.[19] Quando usado como parte do “Protocolo Zelenko”, desenvolvido pelo Dr. Zev Zelenko (EUA), as hospitalizações por COVID foram reduzidas em 84% em pacientes de alto risco.[20] Além da pesquisa de Zelenko, há 32 outros estudos [21] que mostram 96% de efeitos positivos e uma redução de 75% em mortes quando usado em combinações variadas.[22] 

A ivermectina foi desenvolvida inicialmente como uma droga veterinária nos anos 70 do século passado. No entanto, desde 1988 ela tem sido prescrita para combater infecção por parasitas em humanos. Mais tarde, foi adicionada pela OMS na lista de medicamentos essenciais[23] e, em 2015, seus inventores receberam o prêmio Nobel de Medicina.[24] 

Enquanto a ivermectina pode ser usada profilaticamente para prevenção da COVID, ela também é usada no tratamento precoce e protocolos de tratamento tardio.[25] Há 63 estudos que testaram sua eficácia quando usada em tratamento precoce, sendo que esses estudos mostram uma melhora geral de 69%.[26] Em uso profilático, há 14 estudos e uma melhora geral de 86%.[27]

Advogando pelo uso da ivermectina está Dr. Pierre Kory, um dos fundadores da Aliança da Linha de Frente para Cuidados Críticos da COVID-19 (em inglês Front Line Covid-19 Critical Care Alliance - FLCCC). Kory, junto com outros profissionais na FLCCC, desenvolveu um protocolo específico pra prevenir e tratar COVID usando a ivermectina.[28] 

Em dezembro de 2020, o Dr. Kory e outros fizeram um apelo apaixonado, suportado por pesquisas científicas em uma audiência de comitê no Senado americano, afirmando que a ivermectina “basicamente oblitera a transmissão desse vírus” com “eficácia milagrosa”.[29] 

Descobriu-se que a deficiência de vitamina D era alta entre pacientes de COVID admitidos em hospitais.[30] Outro estudo sugeriu que a insuficiência de vitamina D poderia explicar 9 entre 10 mortes por COVID.[31] Mais recentemente, outro estudo descobriu que deficiência de vitamina D pré- infecção está associada com aumento na severidade e mortalidade da COVID.[32]

Com esse suporte, o tratamento com vitamina D parece ser um bom tratamento a ser tentado. Os estudos usando vitamina D para COVID são em menor número do que os outros tratamentos mencionados, cinco estudos no total. Quando usada profilaticamente, mostra uma melhora de 20%[33] , mas quando usada como tratamento precoce, estudos encontraram uma melhora geral de 80%.[34]

Fato: Há diversos tratamentos precoces efetivos para a COVID baseados em pesquisas científicas.

 

FATo Três

PCR positivo não significa contagioso

“O teste deveria ser limitado a ter um máximo de 30-35 ciclos, já que, acima de 35 ciclos, 97% dos resultados seriam falsos positivos.”

O PCR é um teste genético que pode detectar uma seção da sequência genética da COVID dentro de uma amostra. Ele faz isso através da amplificação dessa amostra milhares de vezes até atingir o seu limiar ou limite, após ter atingido seu ciclo limite (CT). Se ele detectar traços genéticos do vírus, ele se torna um resultado positivo; se não, o resultado será negativo.[35] Diversos estudos científicos colocaram grande importância no número de ciclos necessários até que a sequência genética do vírus seja identificada. Se a sequência genética é encontrada depois de mais ciclos, isso não significa que o sujeito de fato tem COVID.[36],[37],[38],[39],[40] Como publicado no New York Times, especialistas admitem que o teste deveria ser limitado a um máximo de 30-35 ciclos, já que com mais ciclos, 97% dos resultados seriam falsos positivos. Anthony Fauci, antigo diretor do NIH, também admitiu que “quase nunca se pode cultivar vírus a partir de um ciclo limite”. [41]

Talvez mais importante de uma perspectiva de saúde pública, um teste PCR positivo não significa que a pessoa esteja contagiosa.  Dependendo de quando a amostra foi colhida, um resultado positivo mesmo a 24 ciclos poderia significar que o sujeito não é contagioso. [42] Dr. Jared Bullard o Microbiologista chefe de Manitoba estima que apenas cerca de 44% dos casos positivos podem replicar o vírus e serem, portanto, contagiosos.[43] O ciclo limite não é uniforme em todas as instalações de testagem, tampouco essa informação é normalmente tornada pública.[44] No entanto, o CDC permite resultados positivos baseados em até ciclos.[45]

Em janeiro de 2021 a OMS reconheceu que indivíduos com resultados positivos em testes com alto CT deveriam ser retestados.[46] Mais tarde, em julho de 2021, o CDC emitiu uma declaração retirando sua recomendação para acontinuação da utilização de testes PCR, a partir do final do ano.[47]

 Fato: resultados de testes PCR não são um indicador preciso para saber se alguém tem COVID, muito menos se são infecciosos.

 

FATo quatro

Transmissão assintomática é rara

“Uma meta análise de 54 estudos concluiu que a transmissão assintomática mesmo dentro de casa era inferior a 1%.”

Com a COVID começando a se espalhar ao redor do mundo, especialistas concordaram que a transmissão assintomática era rara e não tinha muito impacto. Anthony Fauci, antigo chefe do NIH, declarou em janeiro de 2020 “Mesmo que haja alguma transmissão assintomática, em toda a história de vírus de transmissão respiratória de qualquer tipo, a transmissão assintomática nunca foi o propagador de surtos. O condutor de surtos é sempre a pessoa sintomática.”[48]

Vários estudos foram conduzidos para ver se COVID seria transmitida por pessoas assintomáticas. Um estudo feito na China olhou mais de nove milhões de pessoas e encontrou 300 casos de pessoas assintomáticas que testaram positivo para a COVID, e nenhuma das amostras tinha um “vírus viável” que poderia se replicar e ser transmitido. Eles acompanharam os contatos próximos desses casos assintomáticos e descobriram que eles não infectaram ninguém que fosse contato próximo.[49] Um estudo publicado no JAMA fez uma meta análise de 54 estudos e concluiu a transmissão assintomática mesmo dentro de uma casa era inferior a 1%.[50]

A questão da transmissão assintomática é um dos principais pressupostos usados para justificar as regulamentações da COVID. A ideia de que qualquer um, mesmo quem não está doente, pode infectar os outros é que fomentou o pânico, o distanciamento social, a testagem em massa, etc. Afinal, se apenas as pessoas doentes transmitissem o vírus, então pessoas saudáveis não representariam qualquer ameaça. 

Fato: Transmissão assintomática é rara

 

FATo cinco

Lockdowns são ineficazes e custosos.

“Não há no momento nenhuma evidência convincente de que políticas de abrigo em casa tenham salvo um grande número de vidas ou mitigado significativamente a propagação da COVID – 19.”

Lockdowns generalizados para controlar um vírus eram em grande parte desconhecidos antes do aparecimento da COVID. Um número de estudos foi publicado para determinar a eficácia dos lockdowns na redução do impacto da COVID na população.  Um estudo[51] afirmou que “[os] dados sugerem fortemente que o declínio de infecções no Reino Unido começou antes do primeiro lockdown completo.”[52]  O estudo mostrou ser esse o caso nos dois lockdowns subsequentes também. Isso significa que o vírus reduziu sua taxa de infecção sem um confinamento em todas as ocasiões.

Outro estudo avaliando os efeitos das políticas de abrigo em casa (SIP, em inglês) durante a pandemia de COVID afirma que “Não encontramos efeitos detectáveis dessas políticas na propagação da doença ou nas mortes” e concluiu que “não há, atualmente, uma evidência convincente e concluiu que "não há atualmente evidências convincentes que sugiram que as políticas do SIP salvaram um grande número de vidas ou mitigaram significativamente a propagação da COVID"[53].

Comparando diferentes países que implementaram ordens de permanência obrigatória em casa com países que não o fizeram, este estudo analisou os possíveis efeitos nos casos de COVID. Concluiu que "não encontramos benefícios significativos sobre o crescimento de casos de NPIs mais restritivas [Intervenções não-farmacêuticas]"[54] Uma conclusão semelhante foi tirada por outro estudo que comparou diferentes países nos EUA e concluiu que "Lockdowns são ineficazes na redução de mortes por Covid-19".

Um estudo publicado no Lancet também concluiu que "ações governamentais como o fechamento de fronteiras, bloqueios completos e uma elevada taxa de testes COVID-19 não foram associadas a reduções estatisticamente significativas no número de casos críticos ou na mortalidade geral"[56] Além de serem ineficazes na redução do impacto da COVID, os bloqueios tiveram um custo tremendo na saúde, na economia e nos direitos humanos.

Durante os lockdowns, um amplo espectro de profissionais médicos observou que as pessoas não estavam recebendo tratamento médico adequado, devido ao medo de contrair a COVID. Eles acreditam que isto levou a um aumento de mortes por ataque cardíaco[57], câncer, diabetes e muito mais. O Reino Unido experimentou um aumento dramático de mortes por demência durante o lockdown.[59] Dois terços das mortes em excesso em lares não estavam relacionados à COVID[60], enquanto ao mesmo tempo cerca de 40% dos leitos hospitalares permaneceram desocupados[61]. Os danos médicos não se limitam apenas ao tempo do bloqueio, mas ainda podem ser vistos meses depois devido a doenças que passaram despercebidas ou não tratadas.[62]

A economia mundial sofreu um golpe substancial com os bloqueios da COVID. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 225 milhões no mundo inteiro passarão fome, como resultado do impacto econômico da COVID[63]. A dívida global em 2020 aumentou em 24 trilhões de dólares (355 % do PIB), um nível que superou o da Segunda Guerra Mundial. [64] Nos EUA, 7 milhões de pessoas já caíram na pobreza[65], com as crianças constituindo os números mais elevados.[66] Meses após o início da desastrosa política de fechamento, até mesmo a ONU admite agora que os lockdowns apenas tornam os pobres... mais pobres[67] Mais tarde, a OMS também declarou que os lockdowns devem ser evitados[68]. Uma meta análise de mais de 100 estudos sobre o custo/benefício dos lockdowns concluiu que "os lockdowns não são apenas uma política ineficiente, eles devem ser classificados como um dos maiores desastres políticos em tempo de paz de todos os tempos"[69].

 Fato: Os Lockdowns prejudicam a saúde das pessoas, a economia sem nenhum benefício claro na luta contra a COVID.

 

FAToR seis

Passaportes vacinais são pouco científicos e antiéticos 

"Um estudo recente concluiu que a imunidade natural era 27 vezes mais protetora do que a vacina Pfizer".

Com o crescente entusiasmo pelas novas vacinas COVID, inúmeras jurisdições implementaram várias políticas para encorajar as pessoas a se vacinarem. Uma das mais intrusivas são os passaportes vacinais, que proíbem os não vacinados de entrar em vários lugares públicos, incluindo cafés e restaurantes, participar de aulas presenciais em instituições pós-secundárias, locais de culto, ficar em hotéis, participar de celebrações em salões de eventos. O primeiro destes programas de passaporte foi implementado por Israel no início de 2021[70]. Qualquer pessoa que quisesse ser autorizada a participar tinha que mostrar um passe digital ou em papel mostrando que estava vacinada, recuperada ou ter um teste PCR negativo nas últimas 48 horas.[71].

Aparentemente os passaportes estão lá para prevenir a transmissão do vírus, entretanto, quando pressionados, os responsáveis pela criação de tais políticas têm reconhecido publicamente que o programa é para encorajar a vacinação e não por razões epidemiológicas.[72].

Falta uma prova sólida de que a vacina previne a infecção, os ensaios clínicos que levaram à autorização das vacinas não procuraram sequer ver se as vacinas reduzem a infecção ou a transmissão. Este fato foi reconhecido pelo cientista chefe da OMS[73] e pelo CDC7[74].

Com a primeira onda pós-vacinação, a noção de que as pessoas "totalmente vacinadas" tinham uma taxa de infecção semelhante estava ficando mais clara.[75] [76] [76] Alguns a atribuíram ao tempo decorrido desde a vacinação, enquanto outros a atribuem à nova variante do delta. De qualquer forma, os dados da quarta onda de Israel mostraram que a vacina não previne a infecção.[77] Outros estudos confirmaram que as pessoas vacinadas carregam cargas virais similares (uma medida fundamental para determinar a capacidade de uma pessoa infectar outras) em indivíduos vacinados e não vacinados, de acordo com as autoridades sanitárias do Reino Unido[78][79] e do CDC[80].

De fato, é questionável se as vacinas COVID devem mesmo ser chamadas de vacinas, uma vez que não foram projetadas para evitar a infecção. Tradicionalmente a definição de uma vacinação era produzir "imunidade a uma doença específica"[81]. Para evitar esta confusão, em setembro de 2021 o CDC simplesmente mudou sua definição de vacinação para dizer que é para produzir "proteção contra uma doença específica"[82] em vez de "imunidade" contra uma doença.

Outro problema com os passaportes vacinais é que a maioria não reconhece que um alto grau de proteção contra a infecção pode ser alcançado através da imunidade natural gerada pelo organismo após ter sido infectado com o vírus. Esta imunidade não induzida por vacina foi considerada mais forte que a imunidade induzida por vacina em dezenas de estudos [83]. Um estudo recente concluiu que a imunidade natural era 27 vezes mais protetora que a vacina Pfizer [84] A maioria dos passaportes de vacinas exigidos simplesmente não reconhece que há muitas pessoas que tiveram o vírus e, portanto, estão protegidas ainda mais do que aquelas que estão vacinadas.

Se deveria haver alguma restrição específica à entrada em espaços públicos por razões epidemiológicas, ela deveria ser limitada às restrições às pessoas doentes, já que os estatutos da vacina não tornam as pessoas menos infecciosas, e as transmissões assintomáticas são raras [85]. A restrição mais lógica seria proibir a entrada de pessoas sintomáticas, já que estas são os condutores da infecção.

As questões éticas em restringir a participação das pessoas na sociedade a fim de fazê-las tomar medicamentos são sérias. "A política de saúde pública só é eficaz quando é baseada na educação e no diálogo. O discurso agressivo pode resultar na perda de confiança de setores significativos do público e levar à redução das taxas de adesão a outras vacinas de rotina que são de importância crucial", escreve uma equipe de médicos especialistas.[86]

A instituição de passes verdes e outras medidas coercitivas contradiz a resolução aprovada pelo Conselho da Europa (uma organização internacional fundada após a Segunda Guerra Mundial para defender os direitos humanos[87]), em janeiro de 2021, onde se afirmava claramente: "7.3.1 garantir que os cidadãos sejam informados de que a vacinação NÃO é obrigatória e que ninguém seja pressionado política e socialmente ou de outra forma para se vacinar, se eles próprios não o desejarem”; e a seção “7.3.2 garantir que ninguém seja discriminado por não ter sido vacinado, devido a possíveis riscos à saúde ou por não querer ser vacinado”[88].

Coerção de procedimentos médicos era algo que deveria ser relegado aos livros de história como um lembrete e um aviso de como as sociedades livres poderiam ser corrompidas para fazer o mal. Se for permitido para proteger contra um vírus que tem uma taxa de sobrevivência superior a 99%, estabelece um precedente para ser permitido em muitos outros casos.

Fato: Os passaportes vacinais são ineficazes, estabelecem um precedente perigoso e não têm lugar numa sociedade livre.

 

FAToR sete

Máscaras: a ciência não está estabelecida 

"85% das pessoas infectadas com COVID usavam máscaras por algum ou todo o tempo antes da sua infecção".

Durante décadas, dezenas de artigos científicos têm sugerido que as máscaras são ineficazes na prevenção da transmissão de doenças virais.[89] Tanto a OMS como o Dr. Fauci (porta-voz da força-tarefa do Coronavírus nos EUA) corroboraram essa afirmação ainda em março de 2020.[90] Mais tarde, nesse mesmo mês, houve uma reviravolta repentina. Foi-nos dito que as máscaras iriam agora nos proteger da COVID, apesar das alegações em contrário por parte dos fabricantes de máscaras.[91] Em setembro de 2020, o chefe do CDC afirmou em testemunho perante um subcomitê do Senado dos EUA, que as máscaras eram mais eficazes na prevenção da COVID do que as vacinas[92].

Apesar da agora "sabedoria convencional" que as máscaras impedem a propagação de vírus, existem de fato numerosos estudos que demonstram que elas não o fazem[93]. Curiosamente, há mesmo investigações que mostram que o uso de máscaras pelos cirurgiões durante a cirurgia não teve qualquer efeito sobre se o paciente desenvolveu uma infecção subsequentemente.[94] Os próprios dados do CDC revelam que aqueles que usam máscaras são infectados pela COVID na mesma proporção que aqueles que não usam, [95]; de fato, 85% dos infectados pela COVID usavam máscaras parcialmente ou todo o tempo antes da sua infecção. [96] As inúmeras jurisdições que impuseram máscaras viram na verdade um aumento de infecções durante a imposição. [97] Um estudo chave randomizado e controlado do uso de máscaras em massa durante o surto da COVID, concluiu que seu uso não teve efeito significativo na propagação viral. [98] O Professor Henning Bundgaard, da Universidade de Copenhagen, que conduziu o estudo, concluiu que "seriam necessárias 300 pessoas usando uma máscara durante um mês para proteger uma pessoa de contrair uma infecção" [99].

Mesmo que as máscaras fossem ligeiramente eficazes, deve-se também considerar os efeitos negativos do uso contínuo de máscaras, tais como; diminuição dos níveis de ingestão de oxigénio,[100][101][102][103] dores de cabeça,[104] Síndrome de Exaustão Induzida por Máscara (MIES),[105] redução da imunidade,[106] aumento da carga de germes,[107] e reações cutâneas[108].

Fato: Não existe base científica suficiente para impor uso de máscaras

 

FAToR oito

As crianças estão pagando um preço desproporcionalmente elevado pela resposta à Covid

"Uma equipe de investigadores de Johns Hopkins encontrou uma taxa de mortalidade de zero entre crianças sem uma condição médica preexistente, como a leucemia".

As crianças são significativamente menos afetadas pela COVID em comparação com os adultos, e a mortalidade por COVID é considerada rara.[109] A taxa de mortalidade por infecção (IFR) é muito baixa nas crianças mais novas, apenas 0,002% aos 10 anos de idade, em comparação com 1,4% aos 65 anos de idade.[110] Esta taxa de mortalidade muito baixa é para todas as crianças, incluindo aquelas com condições médicas pré-existentes. Uma equipe de investigadores do Johns Hopkins encontrou uma taxa de mortalidade de zero entre as crianças sem uma condição médica pré-existente como a leucemia.[111] Em comparação com a gripe sazonal, as crianças correm um risco muito maior de hospitalização devido à gripe sazonal versus a COVID [112].

Embora a própria COVID seja de risco muito mínimo para a saúde das crianças, alguns justificam a instituição de restrições às crianças porque é mais provável que elas propaguem o vírus aos adultos. Contudo, após examinar os dados das escolas americanas, a taxa de infecção entre as crianças e a equipe escolar foi significativamente menor do que a taxa de infecção na comunidade em geral.[113] E não houve um aumento de casos por ocasião da reabertura das escolas.[114] Um estudo descobriu que os professores das escolas suecas durante os surtos da COVID não eram mais hospitalizados do que outras profissões. [115] Em um estudo de distritos escolares de NC com uma população total de estudantes de cerca de 90 mil, foram detectadas 773 infecções oriundas de interações fora da escola, enquanto apenas 32 infecções resultantes de interações internas e nenhum caso de transmissão de criança para adulto foram encontradas na escola.[116]

As crianças foram menos afetadas pela própria COVID, mas não escaparam dos danos causados pelos regulamentos da COVID, incluindo isolamento, imposição do uso de máscara, e fechamento de escolas. As evidências estavam chegando com bastante força mesmo no início das políticas de lockdowns: em maio de 2020, apenas dois meses após as medidas restritivas, um dos principais hospitais infantis do Canadá relatou um aumento de 100 por cento nas admissões devido a tentativas de suicídio e um aumento de 200 por cento nas admissões por abuso de drogas. [117] Isto não se limitou ao Canadá, relatos semelhantes foram feitos noutros países ao longo das restrições da COVID.[118][119][120][121] Há inúmeras ligações entre as políticas de distância social e a deterioração da saúde mental das crianças, incluindo a violência doméstica, a redução das interações sociais com amigos, a redução das atividades físicas, e o sentimento de culpa que resulta de lhe dizerem que você pode matar alguém que ama. Alguma atenção tem sido concentrada na aprendizagem virtual que substituiu a aprendizagem em classe [122]. Em MR4q53 por exemplo, 60% dos suicídios de crianças foram ligados à aprendizagem online. Na Califórnia, uma criança de 11 anos matou-se durante uma reunião de turma virtual.[123] O CDC publicou um relatório mostrando que a proporção de visitas de emergência relacionadas com a saúde mental aumentou a nível nacional, 24% para crianças entre 5 e 11 anos e 31% para crianças de 12 a 17 anos de abril a outubro, em comparação com o mesmo período do ano anterior.[124] Em dezembro de 2020, o suicídio foi a causa número um de mortes em crianças de 10 a 14 anos no estado de Ohio.[125]

Como a escala dos danos estava se tornando clara, alguns peritos médicos apelaram às autoridades políticas para mudar de rumo, abrir as escolas e deixar as crianças fora das duras restrições. O mais notável foi a coleção de peritos médicos que apoiaram a Declaração Barrington que recomendou que a resposta da COVID se concentrasse na população de alto risco, e que libertasse a população de baixo risco - a declaração foi assinada por mais de 48 000 profissionais médicos.[126] Estas recomendações caíram em grande parte em ouvidos moucos com a exceção precoce e corajosa feita pelo Primeiro-Ministro da Noruega que admitiu ter tomado as decisões de fechar as escolas por medo[127].

Em locais onde as escolas foram autorizadas a abrir entre as ondas de infecção, numerosas jurisdições exigiam que as crianças que estivessem muito próximas de uma pessoa infectada "se auto-isolassem" durante 14 dias. Esta política de confinamento solitário é talvez a mais dura das restrições da COVID. Um médico de doenças infecciosas escreveu: "Este é um castigo cruel para uma criança, especialmente para crianças mais novas, de 4-10 anos de idade, isolar uma criança de seus pais e irmãos por até 14 dias dessa forma poderia produzir efeitos emocionais e psicológicos significativos e duradouros",

"Não compreendo como é que qualquer profissional de saúde tenha se afastado tanto dos fundamentos da saúde pública e de não fazer mal nenhum que pense que basicamente encarcerar uma criança numa sala durante 14 dias é de alguma forma justificado", disse a Dra. Martha Fulford, médica de doenças infecciosas da Hamilton Health Science, que se concentra na pediatria.[128]

Talvez os danos mais despercebidos para as crianças resultantes de políticas de COVID impulsionadas pelo pânico sejam para aqueles que nunca nasceram. Os EUA sofreram uma queda de 4% nos nascimentos em 2020, com cerca de menos 97.000 crianças nascendo; espera-se que em 2021 haja uma redução ainda maior estimada em 300.000.[129] Israel, com as suas taxas globais de natalidade crescentes, sofreu uma diminuição de 2,5% nos nascimentos, com 4709 nascimentos a menos que em 2020, em comparação com o ano anterior.[130] Quando comparado com o aumento de 2609 nascimentos, é revelada uma conclusão espantosa - o pânico aumentou em quase o dobro o decréscimo dos nascimentos que o vírus pode ter causado no aumento de mortes.

Fato: As crianças têm um risco muito baixo com a COVID, mas um risco elevado na resposta à COVID.

 

FAToR nove

 O registro de segurança da vacina para COVID

"As mortes declaradas relacionadas com as vacinas COVID totalizaram mais do que todas as mortes relacionadas com as vacinas nos últimos 31 anos, combinadas".

Com o início da vacinação em massa em janeiro de 2021, numerosos relatos de reações adversas graves após as injeções estavam sendo relatados em todo o mundo[131][132][133][134] e outras mais estavam sendo catalogadas[135].

O governo dos EUA reconheceu que haveria quantidades significativas de pessoas com efeitos secundários suaves a curto prazo[136], mas que era melhor tomar a injeção de qualquer forma[137]. As reações adversas mais graves em torno das novas vacinas foram descartadas[138] como não tendo qualquer ligação comprovada com a vacinação.

As taxas de mortalidade por todas as causas começaram a subir em vários países com o início da vacinação.[139] Com o passar do tempo, os médicos preocupados começaram a manifestar as suas objeções.[140][141][142] Particularmente preocupantes foram os efeitos adversos nas pessoas mais jovens, uma vez que correm um risco muito menor com a COVID. O Conselho Público Israelita de peritos apelou para a suspensão das vacinas de pessoas com menos de 30 anos[143], tal como o fez um grupo de médicos da Suécia, e os Médicos de Linha de Frente da América (AFLDS)[145] nos EUA.

Em setembro, o sistema VAERS, cuja função é comunicar reações adversas de todas as vacinas nos EUA, contabilizou mais de 15900 mortes associadas apenas às vacinas contra COVID[146] As mortes comunicadas relacionadas com as vacinas contra COVID totalizaram mais do que todas as mortes relacionadas com vacinas nos últimos 31 anos, combinadas.[147] Um fenômeno semelhante foi observado com o sistema europeu de notificação[148], e na Inglaterra.[149] Não só as mortes estão sendo amplamente notificadas, mas também outras reações adversas graves que levaram a incapacidade permanente, hospitalização, ou ameaçaram a vida do paciente. [150] Uma vez que estes casos são autodeclarados, e não foram confirmados como tendo sido causados pela vacinação, é difícil dizer exatamente quantos são realmente resultado da vacina. Contudo, este é o caso de todos os relatos nos sistemas, e com a vacina contra COVID há um aumento dramático.[151] É digno de nota que se essas mortes por suspeitas de vacina fossem catalogadas utilizando os mesmos critérios que as mortes por COVID são catalogadas[152], todas elas seriam consideradas mortes por vacina.

Outras vacinas com perfis muito mais seguros foram retiradas do mercado no passado. Por exemplo, a vacina contra rotavírus foi suspensa[153] pelas autoridades norte-americanas no final dos anos 90, após 100 bebês terem adoecido, e um morrido - em aproximadamente um milhão de doses. A vacina foi retirada do mercado apesar das autoridades declararem que "não tinha sido estabelecida uma ligação firme entre a vacina e as doenças das crianças"[154]. A vacina contra a gripe suína de 1976 foi retirada do mercado[155] depois de 500 pessoas terem contraído a síndrome de Guillain-Barre, e foi associada a 25 mortes em 43 milhões de doses (1 em 17 milhões). Não havia provas conclusivas de que estas relativamente poucas mortes fossem resultado da vacina, no entanto, o governo suspendeu toda a campanha de vacinação. A partir de setembro de 2021, há mais de 18.000 mortes em questão, mas o governo ainda mantém que as vacinas da COVID são seguras.

Fato: As vacinas contra COVID são muito mais perigosas do que somos levados a crer.

 

FAToR dez

A efetividade da vacina para COVID

"Um estudo no European Journal of Epidemiology concluiu que não havia diferença entre jurisdições que estavam altamente vacinadas e aquelas que tinham níveis de vacinação mais baixos quando se tratava de nova infecção COVID".

As vacinas contra COVID foram promovidas como sendo a ferramenta que acabaria com a pandemia e voltaria a vida ao normal. Surpreendentemente, os ensaios clínicos para as vacinas Moderna[156], Pfizer, AstraZeneca[158], e Johnson & Johnson[159] não testaram nem sequer mediram até que ponto os seus produtos reduzem a infecção.[160] Assim, no momento em que receberam a Autorização de Uso Emergencial, não havia nenhum estudo para apoiar a alegação de que as vacinas previnem a infecção. Isto foi reconhecido por Moderna e Pizer e pela OMS.[163] O +90% de eficácia foi para reduzir a gravidade dos sintomas, e não para reduzir as infecções.

Após vários meses, o fato de que as vacinas não reduzem as infecções era evidente. Depois de comparar 68 países e quase 3000 distritos nos EUA, o European Journal of Epidemiology concluiu que não havia diferença entre as jurisdições que estavam altamente vacinadas e as que tinham níveis de vacinação mais baixos quando se tratava de nova infecção COVID. De fato, verificou-se o contrário em muitos casos, que taxas mais elevadas de vacinação estavam correlacionadas com o aumento das infecções.[164] Esse fenômeno também foi observado numa comparação entre países europeus. [165] De acordo com dados do Ministério da Saúde, durante a quarta vaga, verificou-se que as infecções em Israel estavam no mesmo ritmo em vacinados vs. não vacinados.[166] No Reino Unido, a eficácia da vacina tornou-se de fato negativa, o que significa que os vacinados estavam proporcionalmente mais infectados do que os não vacinados.[167]

Vários estudos publicados apoiam a noção de que a eficácia da vacina diminui com o tempo. Um estudo no The Lancet mostrou um declínio dramático na imunidade induzida pela vacina em apenas cinco meses.[168] Outro estudo descobriu que o declínio se acelera após o quarto mês para atingir apenas cerca de 20% de eficácia até o quinto mês.[169]

Para que não se pense que a vacinação reduziria a capacidade de uma pessoa infectada de infectar outras, relatórios de funcionários da Saúde no Reino Unido[170][171] e do CDC[172] mostram que este não é o caso - uma vez infectados, os vacinados têm cargas virais semelhantes às dos não vacinados.

O outro aspecto da eficácia da vacina COVID está na prevenção de doenças graves e de morte. Antes de examinar esse aspecto, deve-se considerar a questão no contexto de outros tratamentos e profilaxia, ver tratamentos precoces, bem como o risco absoluto associado a ficar gravemente doente pela COVID. A comparação das hipóteses de doença grave entre aqueles que foram vacinados e aqueles que não foram - chama-se Redução do Risco Relativo (RRR). Um artigo publicado no prestigioso Lancet explica que "a RRR deve ser vista no contexto do risco de ser infectado e adoecer com COVID-19". Em outras palavras, a RRR não leva em conta a probabilidade geral de infecção, mas sim, "[A] redução absoluta do risco (ARR), que é a diferença entre as taxas de ataque com e sem uma vacina, considera toda a população", o que significa que proporciona uma apresentação mais real da eficácia.[173] Tal como um guarda-chuva é muito eficaz para manter fora da chuva, não é mais eficaz se não estiver realmente a chover.

A ARR para as vacinas contra COVID varia entre 0,84% - 1,3%, dependendo da vacina em questão. Os autores explicam que "as ARR tendem a ser ignoradas porque dão um tamanho de efeito muito menos impressionante do que as RRR". 

Fato: As vacinas contra COVID parecem ser ineficazes na redução de infecções e possivelmente eficazes na redução de doenças graves e morte a curto prazo.

 

Notas de rodapé

[1] “A OMS diz que a taxa de mortalidade por coronavírus é de 3,4% a nível global". - https://www.cnbc.com/2020/03/03/who-says-coronavirus-death-rate-is-3point4percent-globally-higher-than-previously-thought.htm

[2] "Uma curva mais plana, por outro lado, assume o mesmo número de pessoas que acabam sendo infectadas, mas durante um período de tempo mais longo" - https://www.livescience.com/coronavirus-flatten-the-curve.html

[3] "As taxas de mortalidade por infecção inferida tendem a ser muito inferiores às estimativas feitas anteriormente na pandemia". - https://www.who.int/bulletin/online_first/BLT.20.265892.pdf

[4] "a taxa média de mortalidade por infecção COVID-19 foi de 0,27%"- https://www.who.int/bulletin/online_first/BLT.20.265892.pdf

[5] "o coronavírus pode não ser tão mortal como a gripe"- https://www.spectator.co.uk/article/stanford-study-suggests-coronavirus-might-not-be-asdeadly-as-flu

[6] "Você não corre mais risco de morrer de coronavírus do que de gripe" http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/280874:

[7] https://www.who.int/classifications/icd/Guidelines_Cause_of_Death_COVID-19.pdf

[8] "Relatório do CDC mostra que 94% das mortes na COVID-19 nos EUA tiveram condições que contribuiram". - https://abc-7.com/news/2020/08/31/cdc-report-shows-94-of-covid-19-deaths-in-u-s-hadcontributing-conditions/

[9] https://abc-7.com/news/2020/08/31/cdc-report-shows-94-of-covid-19-deaths-in-u-s-hadcontributing-conditions/

[10] https://www.imperial.ac.uk/media/imperial-college/medicine/mrc-gida/2020-03-16-COVID19-Report-9.pdf

[11] https://www.imperial.ac.uk/media/imperial-college/medicine/mrc-gida/2020-03-16-COVID19-Report-9.pdf - Página 7: 

[12] https://www.imperial.ac.uk/media/imperial-college/medicine/mrc-gida/Imperial-College-COVID19-Global-unmitigated-mitigated-suppression-scenarios.xlsx

[13] "Previstas 96.000 mortes até ao final de Junho" - https://www.spiked-online.com/2020/10/01/sweden-has-destroyed-the-case-for-lockdown/ - https://swprs.org/studies-on-covid-19-lethality/#foobox-1/7/sweden-projection-realityjune-28.png

[14] https://www.telegraph.co.uk/news/2020/06/02/prof-lockdown-neil-ferguson-admits-sweden-used-science-uk-has/

[15] "O zinco é um oligoelemento essencial que é crucial para o crescimento, o desenvolvimento e a manutenção da função imunológica". - https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31305906/

[16] "A suplementação de Zn pode ser de potencial benefício para a profilaxia e tratamento da COVID-19, uma vez que possui uma variedade de propriedades antivirais diretas e indiretas, que são realizadas através de diferentes mecanismos". - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7247509/ - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7365891/

[17] "A cloroquina é um ionóforo de zinco"- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4182877/

[18] https://www.webmd.com/lung/hydroxychloroquine#1

[19] https://www.who.int/medicines/publications/essentialmedicines/18th_EML.pdf - Página 35: 

[20] "as hospitalizações no grupo de doentes tratados foram 84% menores do que no grupo de doentes não tratados". - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7587171/

[21] https://hcqmeta.com/#fig_fpearly

[22] https://hcqmeta.com/#fig_fpd

[23] https://www.who.int/selection_medicines/committees/expert/20/EML_2015_FINAL_amended_AUG2015.pdf

[24] https://www.nobelprize.org/prizes/medicine/2015/press-release/

[25] https://covid19criticalcare.com/wp-content/uploads/2021/08/SUMMARY-OF-THE-EVIDENCE-BASE-FINAL.pdf

[26] https://ivmmeta.com/#fig_fpall

[27] https://ivmmeta.com/#fig_fpall

[28] https://covid19criticalcare.com/covid-19-protocols/

[29] https://rumble.com/vbsxih-doctor-pleads-for-review-of-the-data-during-covid-19-senatehearing.html

[30] "Níveis baixos de 25(OH)D na admissão estão associados ao estádio de doença e mortalidade da COVID-19". - https://academic.oup.com/ajcp/article/155/3/381/6000689 - "26% dos pacientes com deficiência de vitamina D morreram, enquanto entre outros pacientes o número era de 3%". - https://www.timesofisrael.com/1-in-4-hospitalized-covid-patients-who-lack-vitamin-d-dieisraeli-study/

[31] "Insuficiência em vitamina D pode ser responsável por quase nove em dez COVID-19" - https://www.mdpi.com/2072-6643/12/12/3642/htm

[32] "Entre os doentes internados com COVID-19, a deficiência de vitamina D em pré-infecção estava associada a uma maior gravidade da doença e mortalidade".- https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.06.04.21258358v1

[33] https://vdmeta.com/#fig_fp

[34] https://vdmeta.com/#fig_fp

[35] https://www.zerohedge.com/medical/covid-19-rt-pcr-test-how-mislead-all-humanity-accepting-societal-lock-downs

[36] https://academic.oup.com/cid/advance-article/doi/10.1093/cid/ciaa1764/6018217?login=true

[37] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32442256/

[38] https://academic.oup.com/cid/article/72/8/1467/5896916

[39] https://academic.oup.com/cid/article/71/16/2252/5841456?casa_token=YRH4TjC1QTcAAAAA:_RbE4ZsthCyRulTLJa2eOIruf3CRNVgpu84SczOSOsMxxtUbe3MQSbjlaz-i2og2oKgRZg4aP7hpHy4

[40] https://academic.oup.com/cid/advance-article/doi/10.1093/cid/ciaa1491/5912603

[41] https://www.bitchute.com/video/mG8ISlP5OMw2/

[42] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32442256/ - https://web.archive.org/web/20200829104624/https://www.nytimes.com/2020/08/29/health/coronavirus-testing.html

[43] "apenas 44% dos resultados positivos dos testes PCR cresceriam de fato no laboratório".- https://www.jccf.ca/manitoba-chief-microbiologist-and-laboratory-specialist-56-of-positive-cases-are-not-infectious/

[44] https://justthenews.com/politics-policy/coronavirus/state-health-departments-acrosscountry-are-failing-collect-critical

[45] https://www.fda.gov/media/134922/download - Página 36: 

[46] https://www.who.int/news/item/20-01-2021-who-information-notice-for-ivd-users-2020-05

[47] https://www.cdc.gov/csels/dls/locs/2021/07-21-2021-lab-alert-Changes_CDC_RTPCR_SARS-CoV-2_Testing_1.html

[48] https://www.youtube.com/watch?v=vrAvjU2LBkg&ab_channel=FearlessOntario

[49] "1.174 contatos próximos dos casos assintomáticos e constatou que nenhum dos contatos deu positivo" - https://www.theepochtimes.com/study-finds-asymptomatic-spreadnot-a-significant-source-of-the-ccp-virus-pandemic_3606375.html?utm_source=newsnoe&utm_medium=email&utm_campaign=breaking-2020-12-06-5

[50] "Taxas de ataque secundário doméstico... de casos de índice assintomático 0,7%" - https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2774102

[51] https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/biom.13462 - Ver também "demonstramos que o lockdown do Reino Unido foi supérfluo e ineficaz". - https://www.nature.com/articles/s41586-020-2405-7 - https://thecritic.co.uk/seven-indictors-that-show-infections-were-falling-before-lockdown-3-0/

[52] Figura 5 - https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/biom.13462

[53] https://www.pnas.org/content/118/15/e2019706118

[54] https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/eci.13484

[55] https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00779954.2020.1844786

[56] https://www.thelancet.com/journals/eclinm/article/PIIS2589-5370(20)30208-X/fulltext

[57] https://www.telegraph.co.uk/news/2020/08/27/heart-attacks-detected-treated-fell-40-per-cent-covid-pandemic/

[58] "16.000 pessoas morreram por não terem recebido cuidados médicos entre 23 de março e 1 de maio". - https://www.dailymail.co.uk/news/article-8605885/Lockdown-killed-two-peoplethree-died-coronavirus.html

[59] “10.000 mortes extra por demência na Inglaterra e no País de Gales em Abril” - https://amp.theguardian.com/world/2020/jun/05/covid-19-causing-10000-dementia-deaths-beyond-infections-research-says?CMP=share_btn_tw&__twitter_impression=true

[60] “O "número impressionante" de mortes extras na comunidade não é explicado pela covid-19". - https://www.bmj.com/content/369/bmj.m1931

[61] "Os hospitais do NHS têm quatro vezes mais camas vazias do que o normal"  - https://www.hsj.co.uk/acute-care/nhs-hospitals-have-four-times-more-empty-beds-than-normal/7027392.article

[62] https://www.telegraph.co.uk/news/2021/09/24/analysis-thousands-usual-dying-not-covid/

[63] "uma série de tragédias humanas mais brutais e destrutivas do que qualquer dos impactos diretos do vírus na saúde" - https://www.telegraph.co.uk/global-health/climate-and-people/coronavirus-set-trigger-brutal-tragedies-fragile-countries-un/

[64] https://www.reuters.com/article/us-global-debt-iif-idUSKBN2AH285

[65] "8 Milhões Escorregaram para a Pobreza desde Maio" - https://www.nytimes.com/2020/10/15/us/politics/federal-aid-poverty-levels.html

[66] "2,5 milhões de crianças abaixo do limiar de pobreza desde maio" - https://www.nytimes.com/2020/10/15/us/politics/federal-aid-poverty-levels.html

[67] "Os lockdowns têm apenas uma consequência que nunca se deve menosprezar, e que é tornar as pessoas pobres muito mais pobres" - https://www.news.com.au/world/coronavirus/global/coronavirus-who-backflips-on-virus-stance-by-condemning-lockdowns/news-story/f2188f2aebff1b7b291b297731c3da74

[68] "lockdowns completos deveriam ser "muito, muito último recurso". - https://www.cnbc.com/2020/10/15/lockdowns-should-be-last-resort-whos-europe-chiefsays.html

[69] https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13571516.2021.1976051

[70] https://www.jpost.com/israel-news/everything-you-need-to-know-about-israels-greenpassport-program-659437

[71] "Muitas atividades só estarão disponíveis para os vacinados ou portadores de testes de vírus negativos". - https://www.timesofisrael.com/israel-set-to-open-stores-gyms-and-culture-sunday-in-majormove-toward-normalcy/

[72] https://www.spectator.co.uk/article/in-israel-vaccine-passports-are-already-redundant

[73] "Cientista Chefe da OMS: Nenhuma evidência de que vacinas irão prevenir a infecção por COVID" - https://www.israelnationalnews.com/News/Flash.aspx/527121

[74] https://twitter.com/i/status/1444390327884947461 - https://web.archive.org/web/20210805223903/https://edition.cnn.com/us/live-news/coronavirus-pandemic-vaccine-updates-08-05-21/h_d2accec79fdc37f422d02c536828ea1e

[75] https://www.timesofisrael.com/israeli-uk-data-offer-mixed-signals-on-vaccines-potencyagainst-delta-strain/

[76] https://www.yahoo.com/news/vaccinated-people-75-recent-covid-071043169.html

[77] https://americasfrontlinedoctors.org/frontlinenews/israels-forth-wave-data-vaccinationdoes-not-appear-to-prevent-infection/

[78] "Uma vez infectados, há uma diferença limitada na carga viral (e valores de CT) entre os que são vacinados e os que não são vacinados. Dado que eles têm valores de CT semelhantes, isto sugere uma diferença limitada na infecciosidade" Página 35- https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/1009243/Technical_Briefing_20.pdf 

 

[79] "Os indivíduos vacinados e não vacinados têm cargas virais semelhantes" - https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.07.31.21261387v1

[80] "novas investigações sugerem que as pessoas vacinadas podem espalhar o vírus"- https://www.washingtonpost.com/health/2021/07/29/cdc-mask-guidance/

[81] http://web.archive.org/web/20210826113846/https://www.cdc.gov/vaccines/vac-gen/imz-basics.htm

[82] https://www.cdc.gov/vaccines/vac-gen/imz-basics.htm

[83] "91 Estudos de Investigação Afirmam Imunidade Adquirida Naturalmente à Covid-19" - https://brownstone.org/articles/79-research-studies-affirm-naturally-acquired-immunity-to-covid-19-documented-linked-and-quoted/

[84] https://www.timesofisrael.com/study-covid-recovery-gave-israelis-longer-lasting-deltadefense-than-vaccines/ - https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.08.24.21262415v1.full.pdf

[85] https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2774102

[86] https://americasfrontlinedoctors.org/frontlinenews/without-scientific-basis-the-persecution-of-the-unvaccinated/

[87] https://en.wikipedia.org/wiki/Council_of_Europe

[88] https://pace.coe.int/en/files/29004/html

[89] "as provas de 14 ensaios controlados aleatórios dessas medidas não apoiaram um efeito substancial na transmissão". - https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/26/5/19-0994_article#r39 "poucas provas su "nenhum dos estudos estabeleceu uma relação conclusiva entre o uso de máscaras/ respiradores e a proteção contra a infecção por influenza” - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5779801/ - 35 estudos mostrando a ineficácia de máscaras - https://www.greenmedinfo.com/anti-therapeutic-action/face-masks-lack-safety-and-ineffectiveness-research

[90] https://www.businessinsider.com/fauci-doesnt-regret-advising-against-masks-early-inpandemic-2020-7

[91] https://www.thomasnet.com/articles/top-suppliers/surgical-mask-manufacturer-suppliers/

[92] https://www.cnbc.com/2020/09/16/cdc-director-says-face-masks-may-provide-moreprotection-than-coronavirus-vaccine-.html

[93] "Este artigo mostrará que as máscaras não só não protegem, como também causam danos". -https://telegra.ph/The-mask-scam-unmasked-10-01 & https://www.greenmedinfo.com/anti-therapeutic-action/face-masks-lack-safety-and-ineffectiveness-research - "Penetração de partículas em máscaras de tecido foi quase 97% e as máscaras médicas 44%".- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4420971/

[94] "Pelo contrário, foi relatada uma diminuição de 50% após a omissão das máscaras faciais". - https://link.springer.com/article/10.1007/BF01658736 - "Faltam provas que sugiram que conferem proteção contra infecções quer aos doentes quer aos cirurgiões que as usam".- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4480558/?fbclid=IwAR2_9jV3oiwq79dA_IiwDOMhgjn_Z63GI729kV0l0pQfSI2_zebETNi5ESI

[95] "as máscaras e coberturas faciais não são eficazes para impedir a propagação da COVID-19, mesmo para as pessoas que as usam consistentemente". - https://thefederalist.com/2020/10/12/cdc-study-finds-overwhelming-majority-of-people-getting-coronavirus-wore-masks/

[96] "Estudo do CDC encontra maioria esmagadora de pessoas pegando coronavírus usavam máscaras” - https://thefederalist.com/2020/10/12/cdc-study-finds-overwhelming-majority-of-people-getting-coronavirus-wore-masks/

[97] https://rationalground.com/mask-charts/ - https://youtu.be/v7f7fb3RsSs

[98] “uso de máscara ‘não é estatisticamente significante’” - https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/291576

[99] https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/291686

[100] “Estima-se que as máscaras N95 reduzam o consumo de oxigênio em algum lugar entre 5 a 20 por cento. Isso é significativo, mesmo para uma pessoa saudável". - https://news.stanford.edu/2020/04/14/stanford-researchers-reengineer-covid-19-face-masks/

[101] "SpO2 diminui após a primeira hora” - https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18500410/

[102] "Ventilação, capacidade de exercício cardiopulmonar e conforto são reduzidos por máscaras cirúrgicas" - https://link.springer.com/article/10.1007/s00392-020-01704-y

[103] “O uso de uma máscara cirúrgica modifica significativa e clinicamente a dispneia". - https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29395560/

[104] "81% deles desenvolveram dores de cabeça ao usar uma máscara facial" - https://telegra.ph/The-mask-scam-unmasked-10-01 - Fonte 18 - https://headachejournal.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/head.13811 - https://doi.org/10.1016/j.ajic.2013.02.017 - https://doi.org/10.1016/j.jns.2020.117078 - https://doi.org/10.1088/1755-1315/531/1/012034

[105] https://www.mdpi.com/1660-4601/18/8/4344/htm#B37-ijerph-18-04344

[106] "Isso, por sua vez, reduz a resposta imune, afeta negativamente a função das células epiteliais" "O uso de uma máscara facial pode aumentar o seu risco de infecção"- https://telegra.ph/The-mask-scam-unmasked-10-01 - Fonte 19 & 20: 

[107] "mesmo máscaras que nunca foram usadas mostraram um espectro germinal considerável, uma vez que não foram embaladas de forma estéril". - https://telegra.ph/The-mask-scam-unmasked-10-01 - Fonte 23 & 24: 

[108] "A incidência de reações cutâneas adversas para a máscara N95 foi de 95,1%". - https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32541493/

[109] "as mortes de crianças por COVID-19 continuaram a ser raras" - https://www.thelancet.com/journals/lanchi/article/PIIS2352-4642(21)00066-3/fulltext

[110] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33289900/

[111] https://www.wsj.com/articles/cdc-covid-19-coronavirus-vaccine-side-effects-hospitalization-kids-11626706868

[112] 19,5% das hospitalizações devido à gripe foram de menores de 18 anos durante a época da gripe contra 1,4% devido à COVID durante o surto de COVID - https://www.thelancet.com/journals/lanres/article/PIIS2213-2600(20)30527-0/fulltext

[113] https://statsiq.co1.qualtrics.com/public-dashboard/v0/dashboard/5f78e5d4de521a001036f78e#/dashboard/5f78e5d4de521a001036f78e?pageId=Page_abe56848-c8f1-4308-b6d1-bd2d2b855adf

[114] "As escolas da Florida reabriram em massa, mas um surto de coronavírus não se seguiu, um analista do USA TODAY descobre" - https://www.usatoday.com/story/news/investigations/2020/09/28/florida-schools-reopeneden-mass-feared-covid-surge-hasnt-followed/3557417001/

[115] https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMc2026670

[116] https://pediatrics.aappublications.org/content/147/4/e2020048090 and https://www.thetimes.co.uk/article/no-known-case-of-teacher-catching-coronavirus-from-pupils-says-scientist-3zk5g2x6z

[117] https://ottawa.ctvnews.ca/cheo-joins-other-children-s-hospitals-in-declaring-mental-health-crisis-among-youth-as-pandemic-drags-on-1.5433469?fbclid=IwAR3jfdi3RSsAb6inbYAPU9S578E_-vOqC72eVXhNZEqW_zYTxIsoUeenKSM

[118] "Assistimos a um recrudescimento de tentativas de suicídio realmente más” - https://www.webmd.com/lung/news/20210210/child-suicides-rising-during-lockdown#

[119] "64% dos jovens europeus estão em risco de depressão, contra 15% antes da crise da Covid". - https://amp.theguardian.com/world/2021/jun/02/a-sacrificed-generation-psychological-scars-of-covid-on-young-may-have-lasting-impact

[120] "Associação de Centros de Crise de Violação em Israel (ARCCI) viu um aumento de 95% nos relatórios".- https://www.jpost.com/israel-news/domestic-abuse-reports-to-whatsapp-hotlinespike-by-95-percent-amid-covid-19-650109

[121] "os suicídios em Las Vegas e arredores empurraram o distrito de Clark County, o quinto maior do país, para trazer os estudantes de volta o mais rapidamente possível" - https://www.nytimes.com/2021/01/24/us/politics/student-suicides-nevada-coronavirus.html

[122] https://www.tmj4.com/news/coronavirus/60-of-child-suicides-in-milwaukee-county-tied-to-virtual-learning

[123] https://www.washingtonexaminer.com/news/california-11-year-old-kills-himself-duringvirtual-class-on-zoom-as-health-experts-warn-depression-is-increasing-amid-lockdowns

[124] https://www.inquirer.com/health/coronavirus-pandemic-childrens-mental-health-20201118.html - https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/69/wr/mm6945a3.htm?s_cid=mm6945a3_w 

[125] https://www.news5cleveland.com/news/state/suicide-is-now-the-leading-cause-ofdeath-for-children-ages-10-to-14-in-ohio?fbclid=IwAR0YPGO83ZV8nM5Xb_mNGD1uu7cy0hjXqMbxLGOiUREVbjak1HmZK4M35EI 

[126] https://gbdeclaration.org/

[127] https://www.dailymail.co.uk/news/article-8373857/Norways-PM-admits-closedschools-nurseries-fear.html?fbclid=IwAR2JtzrIBwduySZkcug7uo_tN4r8a9LOy7leblkTewdfjtE3Pxjb3DJNY2o

[128] https://torontosun.com/news/provincial/experts-call-peel-guidelines-to-place-childrenin-solitary-quarantine-cruel-punishment

[129] https://www.bbc.com/news/world-us-canada-56288038

[130] https://en.wikipedia.org/wiki/Demographics_of_Israel#Births_and_deaths

[131] https://www.theepochtimes.com/hundreds-sent-to-emergency-room-after-gettingcovid-19-vaccines_3644148.html

[132] https://nypost.com/2021/01/15/23-die-in-norway-after-receiving-pfizer-covid-19-vaccine/

[133] https://translate.google.com/translate?sl=auto&tl=en&u=https://corona-blog.net/2021/01/15/paul-ehrlich-institut-bis-zum-10-01-2021-starben-7-menschen-im-zusammenhang-mit-der-impfung-bisher-51-schwerwiegende-impfreaktionen/

[134] https://www.dailymail.co.uk/health/article-9119029/At-21-Americans-life-threatening-anaphylaxis-receiving-Pfizers-vaccine-CDC-reveals.html

[135] https://covidvaccinereactions.com/wp-content/uploads/2021/04/OCR_Frontline-Workers-Testimonies_News-Reports_VAERS-data_12APR2021-2-optimized.pdf

[136] https://www.cnbc.com/2020/12/01/trump-covid-vaccine-czar-says-side-effects-significantly-noticeable-in-10percent-to-15percent-of-recipients.html

[137] https://www.sfchronicle.com/health/article/The-coronavirus-vaccine-comes-with-moreside-15795971.php

[138] https://www.dw.com/en/fact-check-no-links-found-between-vaccination-anddeaths/a-56458746

[139] https://www.youtube.com/watch?app=desktop&v=xSrc_s2Gqfw&feature=youtu.be&ab_channel=JoelSmalley

[140] https://uncoverdc.com/2021/05/31/vaccine-expert-warns-we-made-a-big-mistake/

[141] https://downloads.regulations.gov/FDA-2021-P-0460-0001/attachment_1.pdf

[142] https://trialsitenews.com/wp-content/uploads/2021/06/Yellow-Card-Letter.pdf

[143] https://www.pecc.org.il/docs/call%20to%20suspend%20vaccination%20eng.pdf

[144] https://sputniknews.com/europe/202105061082813839-do-not-vaccinate-young-andhealthy-swedish-doctors-pen-open-letter-against-blanket-inoculation/

[145] https://americasfrontlinedoctors.org/2legal/tro/

[146] https://medalerts.org/vaersdb/findfield.php?TABLE=ON&GROUP1=AGE&EVENTS=ON&VAX%5B%5D=COVID19&DIED=Yes

[147] https://www.openvaers.com/covid-data/mortality

[148] https://healthimpactnews.com/2021/12184-dead-1196190-injuries-european-databaseof-adverse-drug-reactions-for-covid-19-vaccines/

[149] https://dailyexpose.co.uk/2021/06/19/how-can-the-uk-gov-make-these-mandatory20th-update-on-adverse-reactions-to-the-covid-vaccines-shows-949287-adverse-reactions1332-deaths/

[150] https://www.medalerts.org/vaersdb/findfield.php?TABLE=ON&GROUP1=-CAT&EVENTS=ON&VAX=COVID19

[151] https://openvaers.com/covid-data

[152] Ver "Morte "Com Covid" vs Morte "De Covid"" 

[153] https://www.tampabay.com/archive/1999/10/16/diarrhea-vaccine-pulled-from-market/

[154] https://www.tampabay.com/archive/1999/10/16/diarrhea-vaccine-pulled-from-market/

[155] https://edition.cnn.com/2009/HEALTH/04/30/swine.flu.1976/index.html

[156] https://www.modernatx.com/sites/default/files/mRNA-1273-P301-Protocol.pdf

[157] https://cdn.pfizer.com/pfizercom/2020-11/C4591001_Clinical_Protocol_Nov2020.pdf

[158] https://s3.amazonaws.com/ctr-med-7111/D8110C00001/52bec400-80f6-4c1b-8791-0483923d0867/c8070a4e-6a9d-46f9-8c32-cece903592b9/D8110C00001_CSP-v2.pdf

[159] https://www.jnj.com/coronavirus/covid-19-phase-3-study-clinical-protocol

[160] "Estes ensaios centram-se todos claramente na eliminação dos sintomas da Covid-19, e não nas infecções em si"- https://www.forbes.com/sites/williamhaseltine/2020/09/23/covid-19-vaccine-protocols-reveal-that-trials-are-designed-to-succeed/?sh=499e0ea35247

[161] "Não teremos dados concretos suficientes para provar que esta vacina reduz a transmissão"- https://nypost.com/2020/11/24/moderna-boss-says-covid-shot-not-provento-stop-virus-spread/

[162] https://www.businessinsider.com/pfizer-chairman-not-clear-people-spread-covid-19-after-vaccine-2020-12

[163] "Cientista Chefe da OMS": Nenhuma evidência de que vacinas irão prevenir a infecção por COVID" - https://www.israelnationalnews.com/News/Flash.aspx/527121

[164] https://link.springer.com/article/10.1007/s10654-021-00808-7#Bib1

[165] https://threadreaderapp.com/thread/1415989536933490688.html

[166] https://americasfrontlinedoctors.org/2/frontlinenews/israels-forth-wave-data-vaccination-does-not-appear-to-prevent-infection/

[167] https://americasfrontlinedoctors.org/2/frontlinenews/covid-vaccine-effectiveness-at-preventing-infection-drops-into-negative-territory/

[168] "A eficácia contra infecções diminuiu de 88% (95% CI 86-89) durante o primeiro mês após a vacinação completa para 47% (43-51) após 5 meses"- https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736%2821%2902183-8/fulltext

[169] https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2114114

[170] "Uma vez infectados, há uma diferença limitada na carga viral (e valores de CT) entre os que são vacinados e os que não são vacinados. Dado que eles têm valores de CT semelhantes, isto sugere uma diferença limitada na infecciosidade" - Página 35 - https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/1009243/Technical_Briefing_20.pdf

[171] "Os indivíduos vacinados e não vacinados têm cargas viraisasemelhantes"- https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.07.31.21261387v1

[172] "novas investigações sugerem que as pessoas vacinadas podem espalhar o vírus" - https://www.washingtonpost.com/health/2021/07/29/cdc-mask-guidance/

[173] https://www.thelancet.com/journals/lanmic/article/PIIS2666-5247(21)00069-0/fulltext

[174] https://cdn.pfizer.com/pfizercom/2020-11/C4591001_Clinical_Protocol_Nov2020.pdf

[175] https://americasfrontlinedoctors.org/2/frontlinenews/covid-vaccination-appears-ineffective-at-reducing-death-in-patients-under-aged-50-according-to-uk-data/

 

 

 


 [AS1]The original text doesn’t mention the number of cycles. 

Latest Posts

Most Popular

AFLDS logo

Support the cause

Donations raised will support our efforts to educate the American public and political leaders.